pequeno luxo

beiroa_mybelovedcraft
beiroa1_mybelovedcraft

Finalmente cedi à tentação de conhecer a lã Beiroa da Rosa Pomar. Uma tentação porque não é barata. Uma tentação porque o resultado final será um pequeno luxo. Mas é aqui que a ideia me agarrou, ter uma bela peça feita por mim com o que de melhor se faz em Portugal, uma peça que há-de continuar nas mãos da próxima geração como se um pequeno tesouro se tratasse, assim espero.
Não quero ter uma meia dúzia de colchas para trocar todas as semanas, basta me uma que dure muito tempo que seja de boa qualidade e bonita, aliás como em tudo o resto, pouco mas bom e que dure, muito! Uma que acumule todas as histórias da casa e que se nos entre pela memória adentro criando afectos, laços. A mesma intenção aplicada à manta do Vasco e da Clara, a mesma intenção que aplicarei na do Tomás.
Fiz uns quatro ou cinco quadrados até chegar a este que aqui vos mostro. Não queria os tradicionais granny squares cheio de cores que proliferam por essa net fora. Apesar de me ter apaixonado pela manta da Rosa, queria um que fosse mais lacy, rendado, mais a haver com o que faço. Este é simples, muito visto mas eu gosto muito dele e para o efeito é perfeito, nem muito rendado nem muito fechado (o que é bom porque não gasta muita linha).
Quanto à cor, comecei por comprar 3 meadas todas dentro da mesma tonalidade para experimentar a linha e as conjugações mas fui fiel ao meu gosto e acabei por escolher uma só cor, claro. Uma cor que ninguém sabe muito bem o nome, é dessas cores que eu gosto.
Amanhã chegam mais 6 meadas. E não vai a missa em metade!

Durante este dias volto aqui para publicar um tutorial desta roseta.

o que vem da terra

legumes1_mybelovedcraft

legumes2_mybelovedcraft

legumes3_mybelovedcraft

Lindos. Deliciosos. Vindos da terra. Vindos da dedicação de quem sabe que ver crescer é uma benção. Ou não sabe. Mas fala como se cada legume vindo no cabaz fosse uma peça delicada a ser tratada com carinho.
Todas as semanas batem-nos à porta os legumes que comemos, vindos directamente do agricultor. Há de tudo, de tudo o que a época permite e a extensão do terreno acolhe. Cada legume diferente do costume é entusiasticamente anunciado, os novos são sempre bem vindos como sangue novo que anima a lida.
No cabaz há o tradicional, couve coração, alface, courgette, tomates, pepinos, pimentos e até beringelas. As cenouras, cebolas e batatas, claro! Mas menos regular, e por isso com atenção especial, os agriões, chicória, rúcula, rábano, rabanetes ou pimentos padrão. Na altura, abóbora, penca e “couve para o caldo verde”. E brócolos!! Ah, o que eu gosto de brócolos!
Falta cogumelos… vou-lhe falar de cogumelos, estará interessada?
E porque as coisas boas são para anunciar, na rua onde moro todos os vizinhos (não são muitos eu sei) aderiram ao cabaz e agora todas as segundas à noite há a certeza de uma semana cheia de comida saudável, fresca e linda.
Todos compramos directamente ao produtor.
Todos fazemos uma pequena revolução.

doce micá

mica_mbc

suculenta_mbc

orquidea_mbc

suculenta_mybelovedcraft
A Micá é que sabe.
Aquele cantinho é o paraíso, o lugar perfeito para, em sossego de focinho pousado descansado, ver o rebuliço de três crianças que sem o saber têm a sorte dos dias felizes. Eu que sou grande já sei a sorte que tenho e também é meu este cantinho que vou transformando em paraíso feito jardim de sonhos e risos, danças e música, beijos e abraços.

É deixá-los crescer devagar como o olhar da Micá.
Meigos como a doce Micá.

a flor mais simples

flores

As flores que fiz para a yarn bomb Flores Caídas é a flor em crochet mais simples que conheço, só precisa saber o básico cordão, o ponto alto e ligar com ponto de cadeia. E num minuto tem uma flor. Para iniciantes não há flor mais simples, por isso deixo-vos aqui o tutorial para que a possam fazer e encher a casa de flores.

Flor Simples em Crochet

Comece com 4 de cordão, o primeiro será o centro da flor e os restantes 3 o início da primeira pétala.

Faça um ponto alto no quarto cordão.

No mesmo buraco faça o segundo ponto alto.

Faça 3 de cordão.

E una aos pontos altos com ponto de cadeia.

Fez a primeira pétala.

Inicie a segunda pétala com 3 de cordão e una ao buraco onde fez a pétala anterior.

Faça mais dois pontos altos, sempre usando o mesmo buraco para centro da flor.

Termine a pétala fechando-a com 3 de cordão e unido com ponto cadeia ao centro.
Repita o processo mais duas vezes. Remate.

E assim tem a sua flor com 4 pétalas iguais, repetindo um esquema simples, 3 cordão 2 ponto alto 3 cordão, quatro vezes.

Para quem sabe ler esquemas, pode usar o meu manuscrito (a habilidade com canetas não é proporcional à das agulhas…).

Uma flor simples mas que em conjunto podem fazer trabalhos bem bonitos e coloridos.

Qualquer dúvida ou sugestão, fale comigo lara@mybelovedcraft.com

Bom trabalho!

 

flores caídas, a yarn bomb!

garrett_mybelovedcraft

garrett3_mybelovedcraft

garrett2_mybelovedcraft

Yarn Bomb_Cartaz

Desde o último post até este tudo o que se passou está nestas fotografias.  Foram 5 semanas de muito trabalho e de uma grande vontade de corresponder à confiança que a direcção do Cine-Teatro Garret depositou em mim tendo apenas como referência a Yarn Bomb Para o dia da Mãe e o meu site. Não me conheciam de mais lado nenhum mas quiseram que eu fizesse parte da sua comemoração do II Aniversário do Cine-Teatro Garrett.

Em conjunto, e sabendo que o tema seriam as flores, idealizamos a ideia de flores caindo das varandas como uma qualquer planta natural que embeleza tantas outras varandas. Daí para a frente coube-me a mim projectar a ideia para o espaço, estudar a melhor maneira de conceber a yarn bomb e meter mãos à obra sem parar porque o tempo já estava a contar e era pouco.

Foram precisas 170 meadas de fio de algodão, 35 quilos de fio! Foram usadas 12 cores diferentes, 8 para as flores e 4 para os caules. Não as contei mas estimo que estejam na yarn bomb cerca de 2500 flores, cerca de 70 horas só a fazer flores (contando como se uma máquina as fizesse!), mais umas quantas para os caules, outras tantas para atar as flores…. Bem, muitas horas para preencher um total de 14 metros de varandas e janelas!

Conforme o trabalho ia sendo feito mil ideias enchiam a minha cabeça, um jardim do Éden crescia na vertical, cheio de flores, folhas, pássaros, borboletas, lianas, baloiços com fadas…. mas o tempo não permitia devaneios artísticos. Mas os pássaros, ah sim, esses iam aparecer na instalação, os pássaros da minha amiga Paula tinham que arrulhar naquelas varandas.

Tudo o que está ali foi o resultado de toda a dedicação e trabalho possíveis num espaço de tempo tão apertado mas que me deixa contente, embora….. Sim, sim, eu sei…

Passada a euforia dos primeiros dias, agradeço o voto de confiança que me deram e a simpatia com que toda a equipa do cine-teatro me acolheu. Vamos voltar a trabalhar juntos, não vamos?

Agradeço ainda a toda a minha família pelo apoio incondicional, é que uma mãe tendo o trabalho que tiver em mãos nunca deixa de ser mãe e dona de casa e com o apoio da família consegui deixar de ser dona de casa por um mês.

Dia 14, dia oficial do aniversário do Cine-teatro Garrett, vou lá estar a ensinar crochet a quem quiser aprender.

Dia 18, Dia Mundial de Tricotar/Crochetar em Público, também lá estarei para o que der e vier, ensinar, conversar, crochetar e conto com todos para esta grande festa das agulhas!!

Passem pelo Garrett, tirem muitas fotos e partilhem a beleza do nosso cine-teatro por essa web fora ( #mybelovedcraft #cineteatrogarrett #yarnbomb #pvz #laramafalda ).

Obrigada, muito obrigada!!