Archive / I am made of it

RSS feed for this section

quanto valem estes naperons?!

 Ganhei o dia ao comprar duas mãos cheias de pequenos naperons na feira de velharias aqui da terra! A feira é de velharias e estas pequenas preciosidades estariam catalogadas como tal porque a €1 cada um…. Mas para mim são pequenos tesouros vindos de um tempo em que as agulhas eram o hobbie mais comum entre senhoras. E ser comum e banal terá sido a causa de os ter encontrado ao “monte” e àquele preço! Espero que senhoras de tão enfastiadas de actividades de outrora continuem a abandonar ao desbarato aquilo que para mim são antiguidades e não velharias.

Este último é em bilros, não se faz com agulhas e talvez por isso seja para mim o mais complicado e misterioso trabalho de renda. Como lidar com todos aqueles “pauzinhos”? Arte!

 

“den da gen”

– “Desempregado é quem procurou serviço no lugar errado.”

E a atenção prendeu-se.

– “Tem de procurá den da gen.”

-O que é que ele disse?

– Não sei…

E a partir daqui fez silêncio, aquele que leva a audição e deixa as imagens sozinhas a voar, pairadas, no ar…

Tinha a certeza que acabara de ouvir as palavras mais inspiradoras dos últimos tempos. Aquelas que podem mudar a vida de quem as ouve.

Não descansei enquanto não consegui revê-lo para então absorver todas as palavras deste homem artista-filósofo despojado do mundo, sim,  porque estes homens não pertencem aqui.

Hélio Leites. Ouçam-no e reouçam-no mais uma, duas e três vezes, as que forem precisas para obsorver a tanta verdade dita e em tão pouco tempo. “Não pense, faça.”

 

– Dentro da gente, acho que foi isso que ele disse.

 

glicínia em bonsai

Foi há cerca de 15 anos que vi pela primeira vez um bonsai, quando recebi de um amigo um bonsai de um ficus como presente de aniversário. Bonsai é uma palavra japonesa que significa árvore numa bandeja e é impossível não achar maravilhosa esta arte que surgiu na China.
É mais um exemplo do culto da paciência e perserverança que as culturas orientais nos ensinam.
Sempre que vejo uma fotografia destas árvores em miniatura fico com vontade de me iniciar nesta arte mas é preciso espaço, tempo, muita dedicação, algum dinheiro extra para os vasos, que geralmente são muito caros, e para os instrumentos de poda, que têm de ser os adequados e bons, afinal a poda é que torna estas plantas verdadeiras esculturas. E acima de tudo é preciso saber esperar porque as belas fotografias que nos aguçam a vontade mostram-nos anos e anos de paciência, podas, cuidados múltiplos e visão daquilo que queremos que a nossa planta se venha a tornar.
Um bonsai pode-se criar a partir de sementes, o que o torna valiosíssimo dado que os anos necessários para se tornar numa planta adulta e bonita são muitos mais que os necessário quando se fazem enxertos ou quando se vai à natureza buscar plantas já grandes e através de podas e de arames se consegue as belas miniaturas.
Na net, podemos ver um sem número das belas fotografias que cada bonsai proporciona. Eu escolhi esta de uma Glicínia, uma trepadeira vulgaríssima que se vê em tudo que é muro mas que a arte do bonsai a tornou numa bela obra de arte.