Archive / I am made of it

RSS feed for this section

unity in diversity

Unity in diversity é a frase que se lê ao fundo e assistir a estes vídeos é ser transportada para esse ideal de liberdade máxima, sermos só um na diversidade, unidos pelo respeito, tolerância e amor.
Eu sou assim complexa, onde há só um vídeo de dança eu vejo logo um mundo mágico onde os  jovens escolhem uma arte para se expressar e ser maior, onde os rapazes não têm de ser másculos e podem mostrar sensibilidade e delicadeza, onde não importam as hierarquias ou posses, onde cada um se sabe transformar pelo belo e só isso importa, preencher cada momento da vida com o melhor que há em nós, nem que por minutos.
Parafraseando o personagem, poesia, música, dança, beleza, romance, amor!… é para isso que nos mantemos vivos!

Procura o que te mantém vivo!

prática perfeita




Nada se aprende num dia.
Mesmo o talento precisa de prática. A perfeição chega com a perseverança, com o erro, com pequenas conquistas. E ainda assim nunca se chega ao fim, há sempre o que aprender. Mas é este processo contínuo de aprendizagem, de aperfeiçoamento que nos cativa. É esta conquista permanente que faz crescer o amor por um ofício.  E é apoiada nesta certeza que a primeira coisa que digo a quem comigo quer aprender a fazer crochet é que não vão sair de um workshop a saber fazer crochet, nem provavelmente o saberão dali a uma semana ou mês. Tudo o que vão conseguir é aperfeiçoar a forma de pegar a agulha, a forma de lidar com a linha nos dedos, conseguir quase a mesma tensão em todas os pontos… E isto tudo se perseverarem, se não desistem, se não se sentirem derrotadas por tão simples instrumentos, uma agulha e uma linha.

A exigência é companheira de um mestre.
Não querendo chamar esse título para mim mas sim querendo ser a melhor transmissora de conhecimento que possa ser, tenho-me empenhado em conhecer o que está escrito sobre crochet e seus pontos, as formas de os representar, de os fazer e suas variações, as formas de os chamar. Saber fazer é uma coisa, saber ensinar é outra e não sei o que será mais difícil. Sei que ao ensinar também aprendo e no final de uma aula a minha satisfação é igual à de quem aprendeu.

E se dúvidas haviam fica a constatação: há de facto um vírus que se pega e não nos larga, um vírus chamado “saber fazer”. No final de contas, o que nos satisfaz e realiza é a criação, a obra que nasce das nossas mãos, da nossa criatividade, das nossas concepções, seja em que área for, seja da forma for. O homem é-o pela criação.

 

desceu mas melhorou

atelier7_mybelovedcraft

atelier2_mybelovedcraft

atelier3_mybelovedcraft

atelier4_mybelovedcraft

atelier8_mybelovedcraft

atelier_1_mybelovedcraft

atelier5_mybelovedcraft

atelier6_mybelovedcraft

atelier9_mybelovedcraft

O atelier desceu do sótão e por quatro meses deixou de existir.
Tudo em lume brando se foi fazendo e agora está pronto. Ganhou uma divisão própria. Roubou a estante aos livros, o aparador à sala, umas coisas daqui outras dali e está com o aconchego próprio dos lugares feitos com carinho, com bocados de vivenças e pertenças. É um lugar para trabalhar, para inspirar, para reunir e conversar, que eu gosto de conversar!, para guardar e refugiar. É um lugar cantinho. Um cantinho, que bom!
E começa aqui o balanço de um ano que acabando inicia os projectos de um próximo que já promete.
De tempos a tempos estas portas abrir-se-ão aos que comigo gostam de linhas, agulhas, chá, conversa e umas quantas coisas mais.
Sejam bem-vindos!