Archive / inspiration

RSS feed for this section

o crochet da avó, o crochet da mãe

Tenho 42 anos e por todos estes anos vi, não, vejo a minha mãe sempre dedicada ao seu crochet. Nunca a vi sentada no sofá sem fazer nada, aliás, raramente a vejo sentada num sofá. Sempre sentada à mesa, de agulha e linha na mão seguindo um esquema de uma revista, da “revista azul”. Abertos e fechados, abertos e fechados. Aranhas e ponto cruzado.  Conjuntos de quarto, naperons, toalhas de camilha, toalhas de mesa, colchas, bicos para cortinas, panos de cozinha. Branco e cru, não bege, cru. Branco e cru, sempre.
No meio deste reportório, lembrava-me de a ver  fazer umas almofadas em forma de coração para quartos de casais em lua-de-mel. Uma piroseira. Mas, porque não para quartos de meninas pequeninas dadas aos corações? Pensei, eu. Foi o que lhe pedi, para ressuscitar esse modelo antigo e fazê-lo para a sua neta, num lindo cor-de-rosa vintage, numa linha antiga vinda do antigo armazém das linhas Âncora. O resultado é o que vêem na fotografia. A neta adorou e eu abandonei a ideia de piroseira.  Numa decoração simples fica bem, denota esmero, cuidado. Uma reminiscência de outros tempos. No contexto certo, a almofada é linda.
Outro pedido, também já satisfeito, foi o naperom (este nome….) para a minha mesa de jantar. Outra piroseira, achava eu há uns tempos atrás. Mas o meu seria verde, verde escuro. “Verde?! Para a sala?!” Pois, e porque não? Verde, a cor que deu modernidade a uma peça que em branco só estaria bem na casa da avó ou num apartamento kitsch.
Lindos revivalismos que aconchegam a casa com memórias e afectos.

 

2018, dez anos e outro interesse maior

Acima de tudo, o meu lema foi saber que a força mais poderosa é estar interessado em alguma coisa. Pode ser a Dinastia Ming, o que quer que seja, se estiveres interessado o suficiente para estudar e aprofundar, então não corres perigo. Se te prendes a qualquer coisa – pode ser arqueologia, música, desporto – que seja maior que tu próprio, não corres perigo. O terrível é quando as pessoas se prendem a um nada, ao vazio., George Steiner

 

Estas palavras de George Steiner não suscitam, para mim, qualquer dúvida. Ter um propósito na vida levanta-nos da cadeira, impele-nos à acção, ocupa-nos. É o interesse como mestre da vida, parafraseando Júlio Dinis. Um interesse que pode ser concreto e objectivo mas que, quando genuíno e abnegado,  sempre nos conduz a uma espécie de salvação espiritual.

A My Beloved Craft nasceu desse interesse necessário para o preenchimento dos dias. Veio a possibilidade do comércio, mas nunca evoluiu muito nesse sentido porque, para além da minha falta de jeito (ou vontade) para vender, era um interesse que não se adequava às pressões e obrigações do materialismo. Acima de tudo, persisti pelo gosto de constatar o Belo em cada trabalho de crochet, em cada fotografia que dali surgia. Uma espécie de realização pessoal, também.

Este ano a My Beloved Craft fez dez anos, a marca e o blog, que já foi loja também. E ter um blog com dez anos é motivo de orgulho, não desmesurado, mas algum orgulho, o suficiente para não deixá-lo morrer e ao fim de mais de um ano vir aqui assinalar o número 2018 na lista dos anos.

A razão pela qual este ano, que deveria ser de grande actividade comemorativa, fosse a copiar as modas efusivas das redes, o blog esteve hibernado foi terem surgido outros projectos, outros interesses que são, neste momento, maiores que o blog e o crochet. Prioridades que se estabelecem quando se aceitam as 24 horas do dia, um modo de ser e o facto de ter três filhos, não os querer perder de vista e ser activa na sua educação.

Assim, e não sabendo com que linhas se fará o futuro, mas querendo que ele tenha memória, virei aqui sempre que o espírito bloguista pairar sobre a minha cabeça e o bichinho das agulhas morder os dedos.

E, sendo próprio da época, desejo a todos a possibilidade da descoberta de um interesse maior, regenerador e edificante neste novo ano que aí vem. Descoberta, palavra bonita que nos diz que tudo já existe, só temos de saber des-tapar.

Bom ano para todos.

 

perfeita chuva miudinha

Estamos no outono. Já estamos no outono. Ou, até que enfim o outono!
Tempo, essa estranha entidade que muda de comprimento conforme mudamos nós os nossos estados de espírito. Conforme mudamos nós a forma como ocupamos esse tempo. Às vezes aconchegamo-nos bem dentro dele, às vezes ficamos com os pés de fora, ansiosos que ele estique as pontas. Queremo-lo elástico, que seja feito à nossa feição. Tempo é tempo, “dado a todos em igual medida”, li por estes dias. Ninguém tem mais ou menos tempo, seja rico ou pobre, criança ou adulto, todos têm o mesmo tempo. Mas quem sabe usar esse tempo ganha vida, aumentamos a nossa vida ganhando tempo.

O que parece que ficou esquecido no tempo foi este blog, não é? Quantos meses?
Digamos que andei a ganhar vida, ganhando o tempo em que deixei um pouco de lado os crochets e os post para este blog.
Verão é tempo precioso! O tempo das minhas vitaminas feitas de sol, água, sal, areia, campo, árvores, vento, ócio! Tempo do não quero saber, agora não! vamos comer um gelado. Maravilhoso tempo de verão, por excelência, o tempo da pausa.

E depressa aqui chegamos, ao bonito tempo em que a natureza se prepara para o recolhimento. É bonito o outono. Que cores tem! Ela, a natureza, a preparar descanso e nós a refazer agendas. Uns a revitalizar-se outros revitalizados.

Hoje é domingo e está uma chuva miudinha lá fora. Está perfeito.