Archive / Setembro, 2012

do pensar ao fazer

20120909-164528.jpg

Cada colar leva o seu tempo. Pensar, idealizar, escolher materiais e conjugá-los, combinar cores… E por fim executá-lo e quase sempre um pouco ao lado do imaginado. Comigo é assim que cresce a criatividade, sendo a solução para cada obstáculo ao imaginado, ou por que o material não responde como deveria ou simplesmente porque os dedos são só dedos e do pensar ao fazer está a limitação da materialização.  Assim, cada peça é a solução de um problema mas talvez por isso cada uma delas seja única e irrepetível e carregada de uma verdadeira dedicação, empenho próprios de uma peça feita à mão.

 

gosto de pedras amo as minhas pedras

Gosto de geologia. Gosto da Terra e de toda a sua matéria inanimada, desde a crosta ao núcleo. Este gosto foi aflorado nos tempos do secundário, no tempo em que frequentava   a primeira turma do país a ter Técnicas Laboratoriais de Geologia. Tão pioneira que a inexistência de programa deixava à imaginação da professora o que fazer com o espólio geológico da escola, não pequeno porque um período inteiro serviu para numerar e catalogar todas as pedras da escola. Adiante.

Numa das minhas andanças pelo mundo cibernético descobri a Otchipotchi, adoro o seu trabalho! E desde que vi estas pedras sabia que um dia iria realmente forrar as minhas pedras com crochet. E passado dois anos o dia chegou. Os dias chegaram! Tornou se maior do que eu esperava, tornou se num vício!

E assim, logo logo que a loja esteja pronta, estarão disponíveis as minhas pedras cobertas de fino crochet para decorar a casa, o escritório, a loja e até o pescoço de quem muito apreciar estas pedras. Eu amo as.