“o mal foi ter comprado o forno”….

photo4

photo1(1)

photo2

photo3

Sem querer que o blog mais se pareça com um de culinária, volto a partilhar um delicioso bolo de chocolate e café que fiz este fim de semana, tal é o orgulho com que que fiquei com o resultado final!! Ora digam lá se não está digno de uma pasteleira de mão cheia? Já aqui tinha dito que a minha experiência com bolos era quase nenhuma até termos a brilhante ideia de finalmente comprarmos forno; “o mal foi teres comprado o forno”, diz o meu pai….

A receita:

Para a massa: 250g de açúcar; 5 ovos; 50ml óleo; 50ml café morno; 250g farinha; 1 colher de sobremesa de fermento; 4 colheres de sopa de chocolate em pó.

Bater as gemas com o açúcar até obter uma massa homogénea e esbranquiçada. Juntar o óleo e o café e bater.  Bater as claras em castelo. Juntar a farinha, o fermento e o chocolate e envolver ao preparado inicial, alternando com as claras em castelo. Envolver toda massa bem e devagar até fazer bolhas. Levar ao forno pré-aquecido a 180 graus por cerca de 40 minutos. Assim que estiver cozido, tirar do forno e deixar arrefecer  por uns minutos dentro da forma. Cortar ao meio só depois de morno.

Recheio: uma lata de leite condensado cozido.

Podia me dar ao trabalho de cozer uma lata de leite condensado mas é muito mais eficiente comprá-lo já cozido. O resultado é igual.

Rechear com o bolo ainda um pouco morno pois ajuda a que o leite cozido se espalhe melhor.

Cobertura: uma tablete de chocolate, um pacote de natas, meio café expresso, licor de avelã ( Frangélico). Praliné de amêndoa e avelã: 100g amêndoa; 100g de avelã; 250ml água.

Fazer um ganache, em banho-maria,  juntando os ingredientes e mexendo até obter uma mistura homogénea. Para acelerar o processo, levei a mistura ao congelador por uns minutos após os quais bati a mistura com batedeira em potência máxima até obter o creme delicioso de um ganache. Este meu, teve um toque especial do café e do licor.

Para fazer o praliné basta levar os ingredientes ao lume numa frigideira anti-aderente, em lume médio, até caramelizar. Verter a mistura num tabuleiro, ligeiramente untado com óleo para que descole naturalmente, e espalhar bem fazendo uma fina camada. Depois de bem frio, partir em bocados pequenos.

Como toque final de cor e romantismo assaltei a minha linda e viçosa violeta, que começa a queixar-se de tantos empréstimos.