golas e diospiros

gola_mybelovedcraft

bolo_diospiro_mybelovedcraft

Já é sabido que a chuva no tempo certo é boa. E a um fim de semana até pode ser motor de produtividade. Foi o que acontece neste que passou.

De segunda a sexta é, na maioria do tempo, um para três e o tempo que sobra para fazer crochet não é muito. Há que ter a casa organizada e outras tarefas cumpridas, caso contrário há o caos. E no caos não há harmonia e na falta de harmonia não há felicidade.  A felicidade também é amiga das rotinas, até das enfadonhas.

Ao fim de semana já somos dois para três e com isso já posso escapar para o sofá e dar ao dedo até ficar tonta de tanto fixar uma agulha em movimentos curtos e repetitivos (juro que ao fim de uma hora paro por estar ourada, estarei a precisar de óculos?). A recompensa de me escapar do papel materno são onze novelos crochetados, traduzidos em três golas quentinhas, prontas a aquecer um pescocinho (pescoço, pescoço…. não é uma palavra muito bonita, pois não?) lindo e de bom gosto.

Ainda houve tempo para inventar um bolo para o lanchar: bolo de diospiro. Deram-mos e havia que fazer mais qualquer coisa com eles par além de os comer assim simples. Um bolo de diospiro, nozes e canela. Uma maravilha que quase não sobrava para o registo fotográfico.

Um fim de semana tranquilo, daqueles bons, serenos, que fazem bem, que têm o cheiro do outono.

 

 

P.S. : aqueles que me conhecem, devem perguntar: ” e então o teu pai? ele ajuda te muito”… E eu digo: o meu pai é uma extensão do meu papel de mãe. Sem ele não sei o que faria, melhor, seria tudo muito mais difícil. O meu pai ainda me educa todos os dias.