em tempo real

postais1_mybelovedcraft postais2_mybelovedcraft postais3_mybelovedcraft postais4_mybelovedcraft

Não sou nada dada a saudosismos ou à costumeira lamentação no-meu-tempo-é-que-era mas ontem passei um bom bocado ao reler uma data de postais do século passado. Do século passado.
Claro que não me deu para ir buscá-los porque estava com muitas saudades de amigos da juventude mas até acabei porque ganhá-las e ficar com o tal no-meu-tempo-é-que-era na boca… Enfim.
O que tentei fazer foi explicar ao meu filho o que era um postal, tinha de escrever um como trabalho de casa, e o que acabei por conseguir foi receber um olhar de perplexidade e quase pena, “e ficavas à espera uma semana para saber por onde andavam os teus amigos?!”

Em vinte anos tudo mudou. Parece tão remota a ideia de não haver telemóveis ou internet. Ao olhar do meu filho, que me atribuiu uma idade perto da jurássica, o que penso é que é preciso andar, não ficar parado e processar rapidamente para se entender e aceitar uma nova era em que tudo é questionado e reinventado.
Se em família se faz caminho devagar, fora é preciso saber apanhar o comboio que não pára e ainda carregar o que acreditamos estar certo e escolher o caminho que vai dar certo. Sem o conhecer.
São extraordinários estes tempos. Se o conseguirmos passar até ao fim vamos ter muito que contar. Estamos a viver um manual inteiro de história universal.

Cheguei ainda à conclusão que os postais vindos de Amesterdão são os mais bonitos, que tinha amigos com lápis azul mas todos com muito sentido de humor e o Cais do Rock como qualquer festival de topo tinha o seu postal. Éramos uns postais, nunca cromos.